Viu Review - Tendências - O que Japão e Turquia têm em comum no audiovisual? Descubra!
Receba nossas novidades em primeira mão!
Quarta, 03 Junho 2020 13:08

Tendências - O que Japão e Turquia têm em comum no audiovisual? Descubra!

Escrito por
Rate this item
(0 votes)

Grandes produtoras japonesas, como a Nippon TV, estão engrossando uma tendência crescente com apelo global. Histórias sobre mulheres, famílias e questões sociais, sem aspectos culturais locais muito específicos, vêm pavimentando uma nova rota de intercâmbio audiovisual. Cada vez mais, formatos de ficção originalmente japoneses estão desembarcando, olhem só, na Turquia para adaptações que acabam por rodar o mundo inteiro. Na coluna de hoje, veremos o que já foi feito e quais são as novidades do mercado para eventuais novas parcerias.

Seguindo o exemplo da vizinha Coreia do Sul, a última década reservou um movimento interessante para o Japão. Enquanto produtos de entretenimento coreanos circulavam com mais naturalidade em territórios ocidentais, os equivalentes japoneses acabavam muito setorizados à sua própria sociedade. Entretanto, um acordo poderoso entre a emissora Nippon TV e a empresa de produção turca MF Yapim em 2016 começou a projetar a criatividade dramatúrgia do Japão em escala mundial.       

"Mother" foi a primeira adaptação derivada deste acordo. A série japonesa lançada em 2010 conta a história de Suzuhara Nao (Yasuko Matsuyuki), uma especialista de aves migratórias que se transforma em uma professora substituta em uma escola de ensino fundamental. Ela é a responsável pelos alunos do primeiro ano, mas não é apaixonada pelo seu trabalho. Reina, uma de suas alunas, torna-se muito próxima da nova professora.

Nao observa hematomas na criança e percebe que ela é vítima de abuso. No primeiro momento, a professora não fala nada, porém os machucados vão se tornando maiores a cada dia e a ausência de Reina na escola passa a ser mais frequente. O instinto maternal de Nao fala mais alto e ela decide cuidar da menina. As duas saem da cidade natal em Hokkaido para Tóquio.

Lançada em 2016, a adaptação na Turquia foi chamada de "Anne". A série conquistou o título de produto audiovisual mais exportado do país em 2018. Os direitos de adaptação do formato original japonês também foram vendidos para Coreia do Sul, Ucrânia, Tailândia e França.    

Outra ficção japonesa que conquistou visibilidade em outros territórios foi "Woman – My Life for My Children". Exibida originalmente na Nippon TV em 2013, a série fala sobre a vida de Koharu (Hikari Mitsushima), que perde o marido em um acidente inesperado e precisa seguir a vida com seus dois filhos, Nozomi (Rio Suzuki) e Riku (Rai Takahashi). Koharu trabalha duro para conseguir sustentar a família, mas sua situação financeira não melhora.

Ao procurar o serviço de assistência social, Koharu conta ao atendente que não tem ninguém para ajudá-la. Seu pai havia morrido e sua mãe Sachi (Yuko Tanaka) abandonara a família por outro homem há 20 anos. Desde então, elas nunca mais mantiveram contato. Em um gesto altruísta, o atendente contata Sachi, que garante ajudar sua filha e reencontrá-la após duas décadas.

Na Turquia, Woman foi com o título de "Kadin" e lançada em 2017. Figura como um dos principais títulos turcos ofertados para o mercado internacional.  

Talvez o título com o menor intervalo entre sua estreia no Japão e sua subsequente adaptação na Turquia tenha sido "Mr. Hiiragi’s Homeroom". A atração chegou às TVs japonesas em 2019 e conta a história de professor de artes Ibuki Hiiragi (Masaki Suda), que trabalha há dois anos em uma escola de ensino médio e é responsável pela turma do 3º ano.  Dez dias antes da graduação, Ibuki anuncia para seus 29 alunos que a partir daquele momento eles são seus reféns. Ninguém poderá sair até que seja revelado o motivo por trás do suicídio de um antigo estudante da escola.

Em março de 2020, a versão turca do drama chegou ao público. Com o título "The Teacher", a série estreou em altos índices de audiência no país e também já aparece como um dos maiores destaques para seu licenciamento internacional.

Outras séries da Nippon TV também foram licenciadas como Formato para serem desenvolvidas pela MF Yapim, porém até o momento ainda não foram divulgadas em território turco. São elas: "My Son" (2017), uma história sobre três mulheres e o desaparecimento de uma criança; "Oasis – Love Story" (2005), a dramática narrativa de uma mulher abandonada pelos pais que encontra em um detetive a oportunidade de recomeçar sua vida por completo; e "Abandoned" (2014), que mostra a dura realidade de crianças em um orfanato, além das suas vidas antes e depois da adoção.   

"Abandoned", série japonesa sobre crianças em um orfanato

Concorrente direta da Nippon TV, a Fuji TV é outra emissora japonesa que expandiu seus laços com parceiros turcos. "Love That Makes You Cry", de 2016, conta a história de Oto Sugihara (Kasumi Arimura), criada por pais adotivos em uma vila rural de Hokkaido após a morte de sua mãe. Mesmo vivendo uma situação difícil com sua família, que a força se casar com um homem mais velho e rico, ela sustenta seus pais adotivos trabalhando em uma lavandeira.  

Já Ren Soda (Kengo Kora) foi criado pelo avô em Fukushima e sonha um dia recuperar o terreno de sua família. Com esse objetivo, ele se muda para Tóquio para trabalhar. Em um determinado dia, Ren encontra uma carta, supostamente importante, e decide entregá-la pessoalmente a sua verdadeira dona, Oto Sugihara, em Hokkaido. Lá, ele percebe que Oto está sendo pressionada a se casar com um homem que ela não ama e eles decidem fugir juntos para Tóquio.

Na Turquia, o título em inglês se manteve igual ao original e seu lançamento aconteceu em 2019.   

Também da Fuji TV, o drama "One Liter of Tears" (2005) é outra história emocionante. A adolescente de 15 anos Ikeuchi Aya leva uma vida normal, até que coisas estranhas começam a acontecer. Ela passa a cair no chão com frequência e a andar de maneira anormal. O médico diagnostica uma doença rara que a faz perder as capacidades de falar, escrever, comer e andar pouco a pouco. A série acompanha Ikeuchi no intervalo de seus 14 aos 20 anos e foi baseada na trajetória real da japonesa Aya Kito, que registrou seus sentimentos em um diário.

Em 2018, One "Liter of Tears" foi adaptado e desenvolvido na Turquia.

Da esquerda para a direita, a versão japonesa e a adaptação turca

Por fim, temos mais três apostas do audiovisual japonês para o mercado internacional, confira:

1. "Off The Record" (Nippon TV / 2020)

Esse drama é sobre uma repórter bem sucedida que sempre está em busca do furo jornalístico mais bombástico. Um certo dia, ela recebe uma notícia chocante que tem a ver com sua vida. Antes de morrer, sua mãe revela um grande segredo. Pela primeira vez, a repórter descobre que seu pai ausente é, na verdade, uma estrela de Hollywood. Desenterrando os mistérios do passado, a jovem precisa lidar para que sua história não se torne a próxima manchete da imprensa.  

 2. "Where Have My Skirts Gone?" (Nippon TV / 2020)

Nobuo Harada (Arata Furuta) começa a trabalhar como professor de Japonês em uma escola de ensino médio. Aos 52 anos, Nobuo é gay e crossdresser. Contratado após a instituição privada anunciar sua política de diversidade, o professor que já experimentou o doce e o amargo da vida compartilha suas experiências com os alunos. Ousado e encantador, Nobuo aproveita cada pedaço de coragem para lutar contra o gigante sistema e ajudar a abrir as cabeças dos jovens estudantes.  

3. "Your Turn to Kill" (Nippon TV / 2019)

Nana (Tomoyo Harada) e Shota (Kei Tanaka) são recém-casados. Ela tem 15 anos a mais que Shota, trabalha como designer e é considerada gentil e confiável. Ele é um professor de academia, divertido e inocente. O que eles compartilham é o amor por mistérios. Após comprar um apartamento, eles estão certos que uma vida feliz e tranquila está prestes a começar. De repente, pessoas em seu prédio começam a morrer, uma após a outra.

O casal descobre que treze vizinhos participam de um jogo macabro, onde cada um escreve o nome da pessoa que eles gostariam de matar em um pedaço de papel antes de sortear quais nomes ficariam com quem. Enquanto a brincadeira poderia parecer inofensiva a princípio, as pessoas sorteadas logo começam a aparecer mortas.

Read 139 times Last modified on Quarta, 03 Junho 2020 14:11