Viu Review - Globoplay

11/9 - A Vida sob Ataque

"11/9 - A Vida sob Ataque" é um documentário muito humano, sensível e ao mesmo tempo impactante, já que seu foco é exclusivamente contar a história do 11 de setembro pelos olhos de alguns novaiorquinos que de alguma forma presenciaram os ataques as Torres Gêmeas. 

É de fato um relato único, comovente e vívido do dia que mudou o mundo moderno. "9/11 Life Under Attack" (no original) é um filme de 90 minutos da ITV que conta histórias nunca antes reveladas, criadas por meio de uma montagem de vários vídeos e áudios inéditos. Confira o trailer (em inglês):

Veja, o que você vai encontrar é o mais próximo do que uma pessoa conseguiu assistir durante os ataques em NY. O diretor Nigel Levy (o mesmo por trás de "Formula 1: Dirigir para Viver") reuniu dezenas de vídeos caseiros e construiu uma narrativa "minuto a minuto" dos atentados. Sem nenhum depoimento, apenas apresentando os personagens com legendas, áudios das rádios locais, dos controladores de voo, de telefonemas vindos das Torres e dos aviões, Levy ilustra toda a tensão e incredulidade que as testemunhas viveram naquela manhã.

Claro que muitas daquelas imagens nós já conhecemos, mas as histórias não - são tão pessoais quanto desesperadoras! É conjunto de narrativas em primeira pessoa (na maioria das vezes) que nos impacta de uma forma muito sentimental, pois não faz parte de uma reinterpretação dos fatos, de uma lembrança distante ou de uma visão confortável do que acontecia - tudo que vemos em "real time" talvez seja a melhor definição do caos e isso é impressionante!

Para quem gostou de "11/9: Dentro da Sala de Guerra do Presidente" e "Ponto de Virada: 11/9 e a Guerra ao Terror" esse é mais um documentário imperdível - pela originalidade e pelo testemunho cruel! Vale muito a pena, mesmo!

Assista Agora

"11/9 - A Vida sob Ataque" é um documentário muito humano, sensível e ao mesmo tempo impactante, já que seu foco é exclusivamente contar a história do 11 de setembro pelos olhos de alguns novaiorquinos que de alguma forma presenciaram os ataques as Torres Gêmeas. 

É de fato um relato único, comovente e vívido do dia que mudou o mundo moderno. "9/11 Life Under Attack" (no original) é um filme de 90 minutos da ITV que conta histórias nunca antes reveladas, criadas por meio de uma montagem de vários vídeos e áudios inéditos. Confira o trailer (em inglês):

Veja, o que você vai encontrar é o mais próximo do que uma pessoa conseguiu assistir durante os ataques em NY. O diretor Nigel Levy (o mesmo por trás de "Formula 1: Dirigir para Viver") reuniu dezenas de vídeos caseiros e construiu uma narrativa "minuto a minuto" dos atentados. Sem nenhum depoimento, apenas apresentando os personagens com legendas, áudios das rádios locais, dos controladores de voo, de telefonemas vindos das Torres e dos aviões, Levy ilustra toda a tensão e incredulidade que as testemunhas viveram naquela manhã.

Claro que muitas daquelas imagens nós já conhecemos, mas as histórias não - são tão pessoais quanto desesperadoras! É conjunto de narrativas em primeira pessoa (na maioria das vezes) que nos impacta de uma forma muito sentimental, pois não faz parte de uma reinterpretação dos fatos, de uma lembrança distante ou de uma visão confortável do que acontecia - tudo que vemos em "real time" talvez seja a melhor definição do caos e isso é impressionante!

Para quem gostou de "11/9: Dentro da Sala de Guerra do Presidente" e "Ponto de Virada: 11/9 e a Guerra ao Terror" esse é mais um documentário imperdível - pela originalidade e pelo testemunho cruel! Vale muito a pena, mesmo!

Assista Agora

A Million Little Things

Acho que um dos grandes méritos dessa "segunda fase" do Globoplay é fazer o caminho inverso ao da Netflix, mas com o objetivo de chegar, exatamente, no mesmo lugar. Quando o Globoplay foi lançado, encontrávamos apenas conteúdo da Globo, ou seja, um catálogo enorme de produções próprias de altíssima qualidade, mas que não eram inéditos e representavam um material com características bem regionais. Com o tempo a plataforma foi mudando sua estratégia, ampliando seu olhar para o mercado e alinhando seu conteúdo inédito com as estréias da TV, até que veio a excelente sacada de lançar antes na plataforma e, em alguns casos, tudo de uma vez para o usuário "maratonar". Agora o Globoplay evoluiu ainda mais, pois passou a produzir projetos exclusivos para o streaming, sem nem passar pela TV e também licenciar conteúdo criado (e exibido) fora da emissora!!! Vamos falar muito desses conteúdos, mas fiz essa introdução toda apenas para dizer que: "A Million Little Things" está lá, no Globoplay, e você não pode deixar de assistir!!!!!

Essa série é a versão da ABC do sucesso da NBC, "This is Us". Na verdade uma série não tem nada a ver com a outra no seu conteúdo, mas a forma de contar a história e os sentimentos que ela é capaz de gerar ao assistirmos cada episódio é exatamente o mesmo! "A Million Little Things" não foca na família, foca na amizade! Seu ponto de partida é o suicídio de um dos protagonistas e, sempre misturando passado e presente, como essa tragédia refletiu na vida de cada um dos seus melhores amigos. Veja o trailer:

Assista Agora ou

Acho que um dos grandes méritos dessa "segunda fase" do Globoplay é fazer o caminho inverso ao da Netflix, mas com o objetivo de chegar, exatamente, no mesmo lugar. Quando o Globoplay foi lançado, encontrávamos apenas conteúdo da Globo, ou seja, um catálogo enorme de produções próprias de altíssima qualidade, mas que não eram inéditos e representavam um material com características bem regionais. Com o tempo a plataforma foi mudando sua estratégia, ampliando seu olhar para o mercado e alinhando seu conteúdo inédito com as estréias da TV, até que veio a excelente sacada de lançar antes na plataforma e, em alguns casos, tudo de uma vez para o usuário "maratonar". Agora o Globoplay evoluiu ainda mais, pois passou a produzir projetos exclusivos para o streaming, sem nem passar pela TV e também licenciar conteúdo criado (e exibido) fora da emissora!!! Vamos falar muito desses conteúdos, mas fiz essa introdução toda apenas para dizer que: "A Million Little Things" está lá, no Globoplay, e você não pode deixar de assistir!!!!!

Essa série é a versão da ABC do sucesso da NBC, "This is Us". Na verdade uma série não tem nada a ver com a outra no seu conteúdo, mas a forma de contar a história e os sentimentos que ela é capaz de gerar ao assistirmos cada episódio é exatamente o mesmo! "A Million Little Things" não foca na família, foca na amizade! Seu ponto de partida é o suicídio de um dos protagonistas e, sempre misturando passado e presente, como essa tragédia refletiu na vida de cada um dos seus melhores amigos. Veja o trailer:

Assista Agora ou

A Very English Scandal

"A Very English Scandal" é simplesmente sensacional, em sua forma e em seu conteúdo.  Essa produção da BBC traz elementos praticamente tirados de um cartoon para retratar um caso real, com um assunto sério e relevante para época (e para os dias de hoje) em meio a uma sociedade politica hipócrita e preconceituosa da Inglaterra dos anos 60 e 70. O assunto, aliás, mistura um drama pessoal com outro politico como muitas vezes acompanhamos em "House of Cards", mas é na forma que a série brilha - o diretor Stephen Frears ("A Rainha") desenvolveu um conceito narrativo (e visual) que chama atenção ao encontrar o equilíbrio perfeito entre o satírico de "Entre Facas e Segredos" de Rian Johnson com o carrancudo "O Destino de uma Nação" de Joe Wright. 

Baseada no livro "A Very English Scandal: Sex, Lies and a Murder Plot at the Heart of the Establishment" de John Preston, esta minissérie britânica de três episódios de uma hora, narra os bastidores do Escândalo Jeremy Thorpe, que teve basicamente duas fases, a primeira em 1976, e a segunda, mais conhecida, longa e impactante, entre 1978 e 1979, quando aconteceu o julgamento do importante político por tramar e mandar assassinar Norman Scott (Norman Josiffe), jovem com quem tivera um relacionamento homossexual nos anos 1960. Confira o trailer (em inglês):

Além da direção cirúrgica de Frears, é de elogiar o trabalho dos atores, especialmente Hugh Grant que vive Jeremy Thorpe e Ben Whishaw que interpreta o amante, Norman Scott - esse personagem, inclusive, garantiu a Whishaw quase todos os prêmios da televisão na temporada de 2019 como o Globo de Ouro e o Emmy de melhor ator coadjuvante para minisséries. Veja, enquanto Grant dá ao seu personagem um tom mais maquiavélica, frio, bem ao estilo Frank Underwod - necessário para um político disposto a fazer qualquer coisa para escalar os degraus hierárquicos do Parlamento e disposto a usar de sua posição para encobrir atos que, se fossem cometidos por outras pessoas, certamente seriam punidos de maneira muito mais severa; Whishaw exterioriza o sofrimento contido em sua posição social desprivilegiada - um homem publicamente gay, com postura mais afeminada, que passou a vinda inteira ouvindo todo tipo de gracinhas e sofrendo preconceitos e que, mesmo chorando sozinho, consegue manter-se forte e imponente em público, para enfrentar aqueles que queriam diminui-lo. O contraste é simplesmente incrível e digno de muitos aplausos! Detalhe, o tom mais conceitual da minissérie exige um certo estereótipo na interpretação, mas que não agride, pois é tão orgânico dentro do contexto que justifica perfeitamente cada movimento dos atores em cena!

Mesmo com um roteiro bem afinado é perceptível um certo crescimento na qualidade narrativa durante os episódios com seu ápice no terceiro ato. É um fato a existência de uma forte crítica no texto, aplicada de maneira muito inteligente, e também de uma excelente reconstrução de época, com figurinos e cenários que exaltam a fotografia do genial diretor Danny Cohen ( de "O discurso do Rei" e "Les Miserables"). Reparem como agilidade dos episódios funciona bem: das cenas que constroem as relações politica e pessoal de Jeremy Thorpe ao seu histórico e tumultuado julgamento.

"A Very English Scandal" é mais uma minissérie da BBC que merece todos os prêmios - e foram muitos! Imperdível!

Assista Agora

"A Very English Scandal" é simplesmente sensacional, em sua forma e em seu conteúdo.  Essa produção da BBC traz elementos praticamente tirados de um cartoon para retratar um caso real, com um assunto sério e relevante para época (e para os dias de hoje) em meio a uma sociedade politica hipócrita e preconceituosa da Inglaterra dos anos 60 e 70. O assunto, aliás, mistura um drama pessoal com outro politico como muitas vezes acompanhamos em "House of Cards", mas é na forma que a série brilha - o diretor Stephen Frears ("A Rainha") desenvolveu um conceito narrativo (e visual) que chama atenção ao encontrar o equilíbrio perfeito entre o satírico de "Entre Facas e Segredos" de Rian Johnson com o carrancudo "O Destino de uma Nação" de Joe Wright. 

Baseada no livro "A Very English Scandal: Sex, Lies and a Murder Plot at the Heart of the Establishment" de John Preston, esta minissérie britânica de três episódios de uma hora, narra os bastidores do Escândalo Jeremy Thorpe, que teve basicamente duas fases, a primeira em 1976, e a segunda, mais conhecida, longa e impactante, entre 1978 e 1979, quando aconteceu o julgamento do importante político por tramar e mandar assassinar Norman Scott (Norman Josiffe), jovem com quem tivera um relacionamento homossexual nos anos 1960. Confira o trailer (em inglês):

Além da direção cirúrgica de Frears, é de elogiar o trabalho dos atores, especialmente Hugh Grant que vive Jeremy Thorpe e Ben Whishaw que interpreta o amante, Norman Scott - esse personagem, inclusive, garantiu a Whishaw quase todos os prêmios da televisão na temporada de 2019 como o Globo de Ouro e o Emmy de melhor ator coadjuvante para minisséries. Veja, enquanto Grant dá ao seu personagem um tom mais maquiavélica, frio, bem ao estilo Frank Underwod - necessário para um político disposto a fazer qualquer coisa para escalar os degraus hierárquicos do Parlamento e disposto a usar de sua posição para encobrir atos que, se fossem cometidos por outras pessoas, certamente seriam punidos de maneira muito mais severa; Whishaw exterioriza o sofrimento contido em sua posição social desprivilegiada - um homem publicamente gay, com postura mais afeminada, que passou a vinda inteira ouvindo todo tipo de gracinhas e sofrendo preconceitos e que, mesmo chorando sozinho, consegue manter-se forte e imponente em público, para enfrentar aqueles que queriam diminui-lo. O contraste é simplesmente incrível e digno de muitos aplausos! Detalhe, o tom mais conceitual da minissérie exige um certo estereótipo na interpretação, mas que não agride, pois é tão orgânico dentro do contexto que justifica perfeitamente cada movimento dos atores em cena!

Mesmo com um roteiro bem afinado é perceptível um certo crescimento na qualidade narrativa durante os episódios com seu ápice no terceiro ato. É um fato a existência de uma forte crítica no texto, aplicada de maneira muito inteligente, e também de uma excelente reconstrução de época, com figurinos e cenários que exaltam a fotografia do genial diretor Danny Cohen ( de "O discurso do Rei" e "Les Miserables"). Reparem como agilidade dos episódios funciona bem: das cenas que constroem as relações politica e pessoal de Jeremy Thorpe ao seu histórico e tumultuado julgamento.

"A Very English Scandal" é mais uma minissérie da BBC que merece todos os prêmios - e foram muitos! Imperdível!

Assista Agora

A voz mais forte

Diferente de "O Escândalo", onde o linha narrativa tinha como único foco as denúncias de assédio sexual (e moral) contra oentão presidente e fundador da Fox News, Roger Ailes, a partir da iniciativa de Gretchen Carlson (Nicole Kidman) e do apoio de Megyn Kelly (Charlize Theron), ambas ancoras do canal, "A voz mais forte" traz um contexto um pouco mais amplo, muito mais interessante e profundo sobre Ailes, apontando sua capacidade única como executivo de TV, sua enorme influência politica e, claro, seu comportamento deplorável -  Ailes era um personagem tão complexo e ambíguo, que suas ações soam naturais (para ele e para quem o admira cegamente), como se sua genialidade lhe permitisse agir como bem entendesse, com homens e, principalmente, com mulheres.

Os fatos que assistimos em "O Escândalo" representam apenas dois (importantes) episódios da minissérie da Showtime, o que permite construir um perfil mais rigoroso de Roger Ailes, sem a pressa de um longa metragem de duas horas - e isso faz toda diferença na narrativa e também no nosso julgamento, já que não deixa brecha para qualquer tipo de justificativa ou desculpa para o que poderia ser um ato isolado de Ailes. "A voz mais forte" (ou "The Loudest Voice") é baseada no best-seller, The Loudest Voice in the Room, de Gabriel Sherman e conta a história do falecido executivo e fundador da Fox News, se concentrando nas últimas duas décadas, quando Ailes se tornou uma potente voz do Partido Republicano nos EUA ao colocar suas preferências politicas como guia editorial que levou a Fox a se tornar líder de audiência da TV a cabo no segmento de notícias - justamente por isso, as acusações de assédio sexual que vieram à tona em 2016 foram tão impactantes e culminaram no encerramento da sua brilhante carreira prematuramente. Confira o trailer:

"A voz mais forte" tem sete episódios de uma hora e retrata alguns anos chave da vida de Ailes , porém o mais bacana é que a vida do executivo vai se misturando com inúmeros fatos marcantes da história recente dos Estados Unidos. A maneira como o roteiro e a edição costuram essas situações dão uma dinâmica incrível para a minissérie e nos ajudam a desvendar a personalidade do protagonista. Vale ressaltar que o diretor vai pontuando o comportamento de Ailes de uma maneira muito discreta e que só vai se intensificando com o passar do tempo - isso nos permite entender exatamente como tudo aconteceu, como um homem idolatrado e respeitado por muitos era, na verdade, um ser humano desprezível!

Se você gostou de "O Escândalo ou de "The Morning Show", "A voz mais forte" é para você! A história vai, de fato, te impactar, tanto pela dinâmica politica e corporativa da jornada, quanto pela construção e queda de um mito quando das denúncias de Gretchen. Olha, mais uma vez será preciso ter estômago, mas como contexto histórico e importância na luta contra o assédio, vai valer muito a pena!

Assista Agora ou

Diferente de "O Escândalo", onde o linha narrativa tinha como único foco as denúncias de assédio sexual (e moral) contra oentão presidente e fundador da Fox News, Roger Ailes, a partir da iniciativa de Gretchen Carlson (Nicole Kidman) e do apoio de Megyn Kelly (Charlize Theron), ambas ancoras do canal, "A voz mais forte" traz um contexto um pouco mais amplo, muito mais interessante e profundo sobre Ailes, apontando sua capacidade única como executivo de TV, sua enorme influência politica e, claro, seu comportamento deplorável -  Ailes era um personagem tão complexo e ambíguo, que suas ações soam naturais (para ele e para quem o admira cegamente), como se sua genialidade lhe permitisse agir como bem entendesse, com homens e, principalmente, com mulheres.

Os fatos que assistimos em "O Escândalo" representam apenas dois (importantes) episódios da minissérie da Showtime, o que permite construir um perfil mais rigoroso de Roger Ailes, sem a pressa de um longa metragem de duas horas - e isso faz toda diferença na narrativa e também no nosso julgamento, já que não deixa brecha para qualquer tipo de justificativa ou desculpa para o que poderia ser um ato isolado de Ailes. "A voz mais forte" (ou "The Loudest Voice") é baseada no best-seller, The Loudest Voice in the Room, de Gabriel Sherman e conta a história do falecido executivo e fundador da Fox News, se concentrando nas últimas duas décadas, quando Ailes se tornou uma potente voz do Partido Republicano nos EUA ao colocar suas preferências politicas como guia editorial que levou a Fox a se tornar líder de audiência da TV a cabo no segmento de notícias - justamente por isso, as acusações de assédio sexual que vieram à tona em 2016 foram tão impactantes e culminaram no encerramento da sua brilhante carreira prematuramente. Confira o trailer:

"A voz mais forte" tem sete episódios de uma hora e retrata alguns anos chave da vida de Ailes , porém o mais bacana é que a vida do executivo vai se misturando com inúmeros fatos marcantes da história recente dos Estados Unidos. A maneira como o roteiro e a edição costuram essas situações dão uma dinâmica incrível para a minissérie e nos ajudam a desvendar a personalidade do protagonista. Vale ressaltar que o diretor vai pontuando o comportamento de Ailes de uma maneira muito discreta e que só vai se intensificando com o passar do tempo - isso nos permite entender exatamente como tudo aconteceu, como um homem idolatrado e respeitado por muitos era, na verdade, um ser humano desprezível!

Se você gostou de "O Escândalo ou de "The Morning Show", "A voz mais forte" é para você! A história vai, de fato, te impactar, tanto pela dinâmica politica e corporativa da jornada, quanto pela construção e queda de um mito quando das denúncias de Gretchen. Olha, mais uma vez será preciso ter estômago, mas como contexto histórico e importância na luta contra o assédio, vai valer muito a pena!

Assista Agora ou

Assédio

Assédio

A Minissérie "Assédio" foi lançada exclusivamente para o Globoplay em uma tentativa da Globo de entrar com mais força na briga contra a Netflix e se tornar relevante também no streaming - e com projetos como esse, tem tudo para conseguir: "Assédio" conta a história do médico Abdelmassih, aquele mesmo que estuprou 37 pacientes e que foi condenado a mais de 100 anos de prisão (e depois liberado para cumprir prisão domiciliar). O que eu tenho para dizer é que a minissérie está linda.

Dirigida pela Amora Mautner, "Assédio" tem um conceito estético muito bem definido e uma personalidade que se não vê muito por aí na TV aberta. Com muitas referências conceituais de "House of Cards"- do estilo da trilha incidental aos movimentos de câmera lineares, muita coisa chama atenção: a fotografia é diferente, mais escura, com pontos de luz pontuando só no que interessa da cena e uma cor mais esverdeada que traz uma frieza interessante para os ambientes (embora, as vezes, até se pesa um pouco a mão).

Assista Agora ou

A Minissérie "Assédio" foi lançada exclusivamente para o Globoplay em uma tentativa da Globo de entrar com mais força na briga contra a Netflix e se tornar relevante também no streaming - e com projetos como esse, tem tudo para conseguir: "Assédio" conta a história do médico Abdelmassih, aquele mesmo que estuprou 37 pacientes e que foi condenado a mais de 100 anos de prisão (e depois liberado para cumprir prisão domiciliar). O que eu tenho para dizer é que a minissérie está linda.

Dirigida pela Amora Mautner, "Assédio" tem um conceito estético muito bem definido e uma personalidade que se não vê muito por aí na TV aberta. Com muitas referências conceituais de "House of Cards"- do estilo da trilha incidental aos movimentos de câmera lineares, muita coisa chama atenção: a fotografia é diferente, mais escura, com pontos de luz pontuando só no que interessa da cena e uma cor mais esverdeada que traz uma frieza interessante para os ambientes (embora, as vezes, até se pesa um pouco a mão).

Assista Agora ou

Cidade Proibida

"Cidade Proibida" é uma série procedural, ou seja, com uma história por episódio mas com uma arco maior que se extende por toda temporada, aliás, durante os episódios não vamos deixar de assistir muitas traições, paixões, ciúmes, crimes, suspense e mistério. Com mulheres fatais e homens violentos vivendo em uma cidade rica, charmosa, elegante e perigosa, a série acompanha as aventuras do detetive particular Zózimo Barbosa (Vladimir Brichta) em pleno Rio de Janeiro da década de 50! Confira o trailer:

Ex-policial, Zózimo decide trabalhar sozinho e se especializa em investigar casos extraconjugais. De quebra, acaba sempre se envolvendo com as belas clientes. No dia a dia das investigações - entre uma tocaia atrás de um amante e um chope no Bar Sereia, ponto de encontro dos personagens principais na trama - Zózimo conta com a ajuda da garota de programaMarli (Regiane Alves), do corrupto delegado Paranhos (Ailton Graça) e do malandro e sedutor profissional, que atende pelo nome de Bonitão (José Loreto).

Assista Agora ou

"Cidade Proibida" é uma série procedural, ou seja, com uma história por episódio mas com uma arco maior que se extende por toda temporada, aliás, durante os episódios não vamos deixar de assistir muitas traições, paixões, ciúmes, crimes, suspense e mistério. Com mulheres fatais e homens violentos vivendo em uma cidade rica, charmosa, elegante e perigosa, a série acompanha as aventuras do detetive particular Zózimo Barbosa (Vladimir Brichta) em pleno Rio de Janeiro da década de 50! Confira o trailer:

Ex-policial, Zózimo decide trabalhar sozinho e se especializa em investigar casos extraconjugais. De quebra, acaba sempre se envolvendo com as belas clientes. No dia a dia das investigações - entre uma tocaia atrás de um amante e um chope no Bar Sereia, ponto de encontro dos personagens principais na trama - Zózimo conta com a ajuda da garota de programaMarli (Regiane Alves), do corrupto delegado Paranhos (Ailton Graça) e do malandro e sedutor profissional, que atende pelo nome de Bonitão (José Loreto).

Assista Agora ou

Em Prantos

"Em Prantos" é uma minissérie da BBC que a Globoplay trouxe para o seu catálogo e que merece sua atenção! Baseada no romance homônimo da escritora Helen Fitzgerald, "The Cry" (título original) acompanha o drama de Joanna (Jenna Coleman) e Alistair (Ewen Leslie) em busca do filho recém-nascido que desapareceu misteriosamente enquanto os dois estavam em um posto de gasolina, durante uma viagem para Austrália. Alistair visitava sua família e tentava resolver um processo de custódia de Chloe (Markella Kavenagh), filha do primeiro casamento, e Joanna lutava para se adaptar à nova realidade como mãe enquanto aprendia como lidar com o cansaço e a dedicação total ao pequeno Noah. Confira o trailer:

Olha, "Em Prantos" é uma ótima surpresa. Se tratando de BBC, colocamos o sarrafo lá no alto e posso te afirmar: a minissérie não decepciona - muito pelo contrário, é um excelente entretenimento! Os quatro episódios são uma espécie de montanha russa de emoções, sensações e teorias - fica impossível não relacionar esse caso ao documentário "O Desaparecimento de Madeleine McCann". Embora sejam histórias completamente diferentes, a premissa é muito parecida - o que nos coloca na história logo de cara: por empatia e familiaridade.

A minissérie é dirigida pelo australiano Glendyn Ivin, porém carrega uma forte identidade visual de séries inglesas. A fotografia do Sam Chiplin colabora muito para isso, porém um aspecto que chamou muito minha atenção foi a montagem: ela não respeita a linearidade de tempo (e as vezes de espaço) e os cortes de transição entre o presente e o passado estão incríveis, criando uma dinâmica narrativa muito interessante e que faz toda diferença na nossa experiência. Aliás, o roteiro nos surpreende a cada episódio com cliffhangers (os ganchos) perfeitos - em especial no final do segundo e do terceiro episódios! Vale dizer também que ele constrói uma sequência de situações que nos movem por caminhos pouco seguros e isso é muito bacana, já que trás elementos dramáticos de séries documentais como "Making a Murderer", por exemplo.

Embora nossa cabeça demore para entender o que realmente pode ter acontecido, a minissérie não se propõe a esconder nada de quem assiste - não existe aquela coisa de roubar no jogo só para nos surpreender no final. Do começo ao fim, as peças estão lá - um pouco fora de ordem, é verdade, mas estão todas na mesa para acharmos o encaixe perfeito! O elenco ajuda muito nesse processo: misterioso, sentimental, introspectivo - e aqui cabe um reconhecimento: a protagonista Jenna Coleman concorreu ao prêmio de "Melhor Atriz" no Emmy Internacional em 2019 justamente pela sua atuação em "The Cry".

"Em Prantos" é daquelas ótimas surpresas que encontramos no catálogo de um serviço de streaming e que não conseguimos parar de assistir até que acabe! Minissérie inglesa de qualidade artística e técnica - realmente impecável e merece muito seu play!

Assista Agora

"Em Prantos" é uma minissérie da BBC que a Globoplay trouxe para o seu catálogo e que merece sua atenção! Baseada no romance homônimo da escritora Helen Fitzgerald, "The Cry" (título original) acompanha o drama de Joanna (Jenna Coleman) e Alistair (Ewen Leslie) em busca do filho recém-nascido que desapareceu misteriosamente enquanto os dois estavam em um posto de gasolina, durante uma viagem para Austrália. Alistair visitava sua família e tentava resolver um processo de custódia de Chloe (Markella Kavenagh), filha do primeiro casamento, e Joanna lutava para se adaptar à nova realidade como mãe enquanto aprendia como lidar com o cansaço e a dedicação total ao pequeno Noah. Confira o trailer:

Olha, "Em Prantos" é uma ótima surpresa. Se tratando de BBC, colocamos o sarrafo lá no alto e posso te afirmar: a minissérie não decepciona - muito pelo contrário, é um excelente entretenimento! Os quatro episódios são uma espécie de montanha russa de emoções, sensações e teorias - fica impossível não relacionar esse caso ao documentário "O Desaparecimento de Madeleine McCann". Embora sejam histórias completamente diferentes, a premissa é muito parecida - o que nos coloca na história logo de cara: por empatia e familiaridade.

A minissérie é dirigida pelo australiano Glendyn Ivin, porém carrega uma forte identidade visual de séries inglesas. A fotografia do Sam Chiplin colabora muito para isso, porém um aspecto que chamou muito minha atenção foi a montagem: ela não respeita a linearidade de tempo (e as vezes de espaço) e os cortes de transição entre o presente e o passado estão incríveis, criando uma dinâmica narrativa muito interessante e que faz toda diferença na nossa experiência. Aliás, o roteiro nos surpreende a cada episódio com cliffhangers (os ganchos) perfeitos - em especial no final do segundo e do terceiro episódios! Vale dizer também que ele constrói uma sequência de situações que nos movem por caminhos pouco seguros e isso é muito bacana, já que trás elementos dramáticos de séries documentais como "Making a Murderer", por exemplo.

Embora nossa cabeça demore para entender o que realmente pode ter acontecido, a minissérie não se propõe a esconder nada de quem assiste - não existe aquela coisa de roubar no jogo só para nos surpreender no final. Do começo ao fim, as peças estão lá - um pouco fora de ordem, é verdade, mas estão todas na mesa para acharmos o encaixe perfeito! O elenco ajuda muito nesse processo: misterioso, sentimental, introspectivo - e aqui cabe um reconhecimento: a protagonista Jenna Coleman concorreu ao prêmio de "Melhor Atriz" no Emmy Internacional em 2019 justamente pela sua atuação em "The Cry".

"Em Prantos" é daquelas ótimas surpresas que encontramos no catálogo de um serviço de streaming e que não conseguimos parar de assistir até que acabe! Minissérie inglesa de qualidade artística e técnica - realmente impecável e merece muito seu play!

Assista Agora

Flesh and Blood: Um Crime Na Vizinhança

"Flesh and Blood", que aqui no Brasil ganhou o sugestivo subtítulo de "Um Crime Na Vizinhança", é um mistura entre a série "Bloodline" (da Netflix) com o filme "Entre Facas e Segredos", mas com um toque de "Desperate Housewives" - e o interessante é que a mistura funciona, com um mérito enorme da capacidade britânica de equilibrar dramas familiares pesados  com um humor negro quase non-sense.

A minissérie gira em torno de três irmãos: Helen (Claudie Blakley), Jake (Russell Tovey) e Natalie (Lydia Leonard). Suas vidas viram de cabeça para baixo quando a mãe Vivien (Francesca Annis), recentemente viúva, revela que está apaixonada por um novo homem. O anúncio tem o efeito catastrófico, especialmente porque Mark (Stephen Rea), um cirurgião aposentado, parece colocar alguma distância entre Vivien e seus filhos. Tudo se complica ainda mais quando a curiosa Mary (Imelda Staunton), vizinha de Vivien há mais de 40 anos, se envolve no drama familiar. Ressentimentos, rivalidades e traições vêm à tona, resultando em um crime que pode destruir toda a família. Confira o trailer (em inglês): 

"Flesh and Blood" tem um conceito curioso: ele é um drama, mas também funciona, em segundo plano, como um thriller policial que bebe de várias fontes do gênero. O roteiro se aproveita de uma montagem bastante competente que quebra a linha temporal sem muitas explicações, mas que serve de linha condutora para a narrativa como em "Big Little Lies", ou seja, assistimos em retrospectiva toda a história que culminou em um crime - só não sabemos quem é a vitima e quem é o criminoso, apenas quem são os suspeitos.

Anos luz da série da HBO, "Flesh and Blood: Um Crime Na Vizinhança" transita perfeitamente por vários estilos, o que nos obriga a entender sua proposta conceitual para que, aí sim, possamos mergulhar na trama - esse processo não é imediato, mas quando percebemos que não se trata de uma série realista, apoiada simplesmente no drama familiar, relaxamos e não a levamos a sério (no bom sentido da afirmação, claro). A partir de uma trilha sonora que nos remete propositalmente à vida fantasiosa de "The Sims", começamos a reparar que o tom de alguns personagens estão um pouco acima e que suas camadas são manipuladas pelo roteiro para nos deixar cheios de dúvidas: ele nos indica uma personalidade, mas logo subverte nossa opinião com uma ação que justifica uma atitude suspeita - e isso é muito bem conduzido e nos conquista rapidamente.

Com uma fotografia linda do Oli Russell, de "Sex Education", uma direção muito competente da Louise Hooper, de "Trapaça", e um elenco afinadíssimo - destaque para a vizinha misteriosa Mary (Imelda Staunton); "Flesh and Blood" é um excelente entretenimento para ser consumido em uma sentada, já que são apenas 4 episódios de 45 minutos, dinâmicos e bem divertidos. Vale muito a pena!

Assista Agora

"Flesh and Blood", que aqui no Brasil ganhou o sugestivo subtítulo de "Um Crime Na Vizinhança", é um mistura entre a série "Bloodline" (da Netflix) com o filme "Entre Facas e Segredos", mas com um toque de "Desperate Housewives" - e o interessante é que a mistura funciona, com um mérito enorme da capacidade britânica de equilibrar dramas familiares pesados  com um humor negro quase non-sense.

A minissérie gira em torno de três irmãos: Helen (Claudie Blakley), Jake (Russell Tovey) e Natalie (Lydia Leonard). Suas vidas viram de cabeça para baixo quando a mãe Vivien (Francesca Annis), recentemente viúva, revela que está apaixonada por um novo homem. O anúncio tem o efeito catastrófico, especialmente porque Mark (Stephen Rea), um cirurgião aposentado, parece colocar alguma distância entre Vivien e seus filhos. Tudo se complica ainda mais quando a curiosa Mary (Imelda Staunton), vizinha de Vivien há mais de 40 anos, se envolve no drama familiar. Ressentimentos, rivalidades e traições vêm à tona, resultando em um crime que pode destruir toda a família. Confira o trailer (em inglês): 

"Flesh and Blood" tem um conceito curioso: ele é um drama, mas também funciona, em segundo plano, como um thriller policial que bebe de várias fontes do gênero. O roteiro se aproveita de uma montagem bastante competente que quebra a linha temporal sem muitas explicações, mas que serve de linha condutora para a narrativa como em "Big Little Lies", ou seja, assistimos em retrospectiva toda a história que culminou em um crime - só não sabemos quem é a vitima e quem é o criminoso, apenas quem são os suspeitos.

Anos luz da série da HBO, "Flesh and Blood: Um Crime Na Vizinhança" transita perfeitamente por vários estilos, o que nos obriga a entender sua proposta conceitual para que, aí sim, possamos mergulhar na trama - esse processo não é imediato, mas quando percebemos que não se trata de uma série realista, apoiada simplesmente no drama familiar, relaxamos e não a levamos a sério (no bom sentido da afirmação, claro). A partir de uma trilha sonora que nos remete propositalmente à vida fantasiosa de "The Sims", começamos a reparar que o tom de alguns personagens estão um pouco acima e que suas camadas são manipuladas pelo roteiro para nos deixar cheios de dúvidas: ele nos indica uma personalidade, mas logo subverte nossa opinião com uma ação que justifica uma atitude suspeita - e isso é muito bem conduzido e nos conquista rapidamente.

Com uma fotografia linda do Oli Russell, de "Sex Education", uma direção muito competente da Louise Hooper, de "Trapaça", e um elenco afinadíssimo - destaque para a vizinha misteriosa Mary (Imelda Staunton); "Flesh and Blood" é um excelente entretenimento para ser consumido em uma sentada, já que são apenas 4 episódios de 45 minutos, dinâmicos e bem divertidos. Vale muito a pena!

Assista Agora

Framing Britney Spears

"Framing Britney Spears", que aqui no Brasil ganhou o subtítulo de "A vida de uma estrela", é mais um documentário produzido pelo The New York Times para a plataforma Hulu. De imediato, temos a sensação de que se trata de mais uma história de construção de um fenômeno pop americano que acaba despencando depois de decisões e atitudes bastante questionáveis. De fato esse arco narrativo está no filme, mas o interessante é a perspectiva que a diretora Samantha Stark nos mostra - o que acaba destruindo aquele pré conceito que tomamos como a mais absoluta verdade sem ao menos nos aprofundar ou procurar entender o outro lado da história.

O documentário acompanha a ascensão de Britney Spears como um fenômeno global até sua queda, considerado até hoje como uma espécie de esporte nacional da mais cruel das formas. A partir de depoimentos de pessoas próximas a ela e de advogados que, de alguma maneira, estavam envolvidos no mistério da tutela legal exercida por seu pai e que gerou um movimento popular importante no país: o Free Britney. Confira o teaser: 

A carreira de Britney Spears é um case de sucesso em um período onde as "boys bands" dominavam as paradas e os corações adolescentes. Sua chegada no cenário musical criou um enorme desconforto, pela forma como ela se apresentava, mas por outro lado provocou um sentimento de identificação que subverteu as inúmeras manifestações machistas, hipócritas e conservadoras, tão comum na sociedade americana. O fato é que Britney venceu, marcou uma geração e o documentário é muito feliz em resumir essa jornada de forma direta, sem perder muito tempo. Hoje, quase 13 anos depois de um surto registrado pelas câmeras e virar piada no mundo inteiro, sua vida é controlada pelo seu pai - mesmo ela sendo considerada capaz de tomar suas próprias decisões. É incrível como muitas pessoas ainda consideram a cantora como uma artista de sucesso que simplesmente surtou e nem se preocupam em entender como a vida dela chegou neste ponto. É exatamente esse o objetivo de "Framing Britney Spears": dar voz à Britney, sem necessariamente poder contar com ela no documentário. 

Veja, não se trata de um documentário com um conceito narrativo inovador ou visualmente inesquecível, digno de Oscar ou muitos prêmios, "Framing Britney Spears" é quase uma reportagem especial de qualquer programa jornalístico com um arco narrativo, digamos, mais cinematográfico - mas isso não deve incomodar, pois a história é realmente muito boa e a maneira como a diretora nos apresenta essa jornada, cria um vinculo emocional com a protagonista que fica difícil não defende-la. Os que antes a consideravam uma louca, certamente vão enxergar a situação com outros olhos.

O documentário é superficial, está longe de ter a qualidade narrativa e a pesquisa de "Sandy & Junior: A História", por exemplo; mas atinge seu objetivo e nos entretem ao mesmo temo que nos faz refletir sobre como existe um certo prazer sádico em endeusar um artista (ou esportista) durante o seu ápice, para depois sacramentar sua queda, transformando sua vida em um verdadeiro inferno - como em "Tiger" da HBO, para citar outra produção na mesma linha.

A verdade é que esse é outro documentário onde final não é tão feliz, mas que pelo menos ainda nos deixa uma esperança. Vale o play!

Assista Agora

"Framing Britney Spears", que aqui no Brasil ganhou o subtítulo de "A vida de uma estrela", é mais um documentário produzido pelo The New York Times para a plataforma Hulu. De imediato, temos a sensação de que se trata de mais uma história de construção de um fenômeno pop americano que acaba despencando depois de decisões e atitudes bastante questionáveis. De fato esse arco narrativo está no filme, mas o interessante é a perspectiva que a diretora Samantha Stark nos mostra - o que acaba destruindo aquele pré conceito que tomamos como a mais absoluta verdade sem ao menos nos aprofundar ou procurar entender o outro lado da história.

O documentário acompanha a ascensão de Britney Spears como um fenômeno global até sua queda, considerado até hoje como uma espécie de esporte nacional da mais cruel das formas. A partir de depoimentos de pessoas próximas a ela e de advogados que, de alguma maneira, estavam envolvidos no mistério da tutela legal exercida por seu pai e que gerou um movimento popular importante no país: o Free Britney. Confira o teaser: 

A carreira de Britney Spears é um case de sucesso em um período onde as "boys bands" dominavam as paradas e os corações adolescentes. Sua chegada no cenário musical criou um enorme desconforto, pela forma como ela se apresentava, mas por outro lado provocou um sentimento de identificação que subverteu as inúmeras manifestações machistas, hipócritas e conservadoras, tão comum na sociedade americana. O fato é que Britney venceu, marcou uma geração e o documentário é muito feliz em resumir essa jornada de forma direta, sem perder muito tempo. Hoje, quase 13 anos depois de um surto registrado pelas câmeras e virar piada no mundo inteiro, sua vida é controlada pelo seu pai - mesmo ela sendo considerada capaz de tomar suas próprias decisões. É incrível como muitas pessoas ainda consideram a cantora como uma artista de sucesso que simplesmente surtou e nem se preocupam em entender como a vida dela chegou neste ponto. É exatamente esse o objetivo de "Framing Britney Spears": dar voz à Britney, sem necessariamente poder contar com ela no documentário. 

Veja, não se trata de um documentário com um conceito narrativo inovador ou visualmente inesquecível, digno de Oscar ou muitos prêmios, "Framing Britney Spears" é quase uma reportagem especial de qualquer programa jornalístico com um arco narrativo, digamos, mais cinematográfico - mas isso não deve incomodar, pois a história é realmente muito boa e a maneira como a diretora nos apresenta essa jornada, cria um vinculo emocional com a protagonista que fica difícil não defende-la. Os que antes a consideravam uma louca, certamente vão enxergar a situação com outros olhos.

O documentário é superficial, está longe de ter a qualidade narrativa e a pesquisa de "Sandy & Junior: A História", por exemplo; mas atinge seu objetivo e nos entretem ao mesmo temo que nos faz refletir sobre como existe um certo prazer sádico em endeusar um artista (ou esportista) durante o seu ápice, para depois sacramentar sua queda, transformando sua vida em um verdadeiro inferno - como em "Tiger" da HBO, para citar outra produção na mesma linha.

A verdade é que esse é outro documentário onde final não é tão feliz, mas que pelo menos ainda nos deixa uma esperança. Vale o play!

Assista Agora

Her

Her

"Her" é um grande filme! O roteiro é tão bom, é tão bem filmado que você nem se dá conta que 90% do filme é um ator falando sozinho!

Escrito e dirigido por Spike Jonze (Onde Vivem os Monstros), "Her" se passa em um futuro próximo na cidade de Los Angeles e acompanha Theodore Twombly (Joaquin Phoenix), um homem complexo e emotivo que trabalha escrevendo cartas pessoais e tocantes para outras pessoas. Com o coração partido após o final de um relacionamento, ele começa a ficar intrigado com um novo e avançado sistema operacional que promete ser uma espécie de entidade intuitiva e única - é aí que ele conhece "Samantha", uma voz feminina sensível e surpreendentemente engraçada. A medida em que as necessidades dela aumentam junto com as dele, a amizade dos dois se aprofunda em um eventual amor de um pelo outro. 

Assista Agora ou

"Her" é um grande filme! O roteiro é tão bom, é tão bem filmado que você nem se dá conta que 90% do filme é um ator falando sozinho!

Escrito e dirigido por Spike Jonze (Onde Vivem os Monstros), "Her" se passa em um futuro próximo na cidade de Los Angeles e acompanha Theodore Twombly (Joaquin Phoenix), um homem complexo e emotivo que trabalha escrevendo cartas pessoais e tocantes para outras pessoas. Com o coração partido após o final de um relacionamento, ele começa a ficar intrigado com um novo e avançado sistema operacional que promete ser uma espécie de entidade intuitiva e única - é aí que ele conhece "Samantha", uma voz feminina sensível e surpreendentemente engraçada. A medida em que as necessidades dela aumentam junto com as dele, a amizade dos dois se aprofunda em um eventual amor de um pelo outro. 

Assista Agora ou

Marvel Stories

Muito na linha de "A História da Pixar" e "A História do Imagineering", chegou na Globoplay (atenção: não no Disney+) um excelente documentário francês de 2016 que conta em quatro atos como a Marvel se reinventou e transformou o mercado depois de quase falir entre os anos 80 e 90, surfando no crescimento da cultura pop e inovando na forma e nas estratégias de contar histórias - porém, o mais interessante do filme é seu enfoque mercadológico e não necessariamente os processos criativos, assunto que encontramos em outros documentários como no ótimo "Marvel 616" (esse sim da Disney+).

"Marvel Stories" é quase um recorte da jornada corporativa da Marvel Comics do caos ao seu processo de ascensão e criação da Marvel Studios. Dividido em quatro temas, os diretores Philippe Guedj e Philippe Roure criam uma dinâmica narrativa bastante competente que expõe muitas das decisões e disputas que fizeram a Marvel renascer das cinzas. Embora seja um documentário de 2016, algumas passagens explicam exatamente o que vemos té hoje dentro do MCU, fazendo um paralelo com a mudança de status das HQs que trouxeram novos leitores, colecionadores e que, de alguma forma, ajudaram a salvar a empresa e a remodelar o negócio.

Uma das lições mais importantes, um pouco batida até, mas muito relevante no contexto, diz respeito a como o roteiro foi capaz de dar uma exata (e clara) noção de como uma empresa tem a necessidade de se reinventar a todo momento, independente do mercado, do tamanho e do passado glorioso!

Veja, se a DC dominava o mercado de HQs nos anos 60 e 70 e pioneira na produção de filmes de heróis, foi Marvel que colocou a importância de propriedade intelectual (IP) em outro patamar, mesmo que meio por acaso. O documentário detalhada muito bem esse processo e as estratégias desesperadas dos executivos para recuperar o controle de seus personagens e histórias. Os depoimentos de artistas e dos executivos que lideraram essas mudanças e bancaram algumas ideias que pareciam malucas na época, ajudam a posicionar cada uma das vitórias da empresa em uma linha do tempo e com pilares muito particulares: no primeiro ato, por exemplo, conhecemos os bastidores das negociações entre banqueiros e executivos de Wall Street pelo controle da empresa. Já no segundo ato o mergulho é no crescimento e nas transformações do mercado de cultura pop e como a Marvel entendeu essa oportunidade. No terceiro, o mais fraco na minha opinião (embora curioso), é discutido a relação histórica que Nova York tem com a Marvel, com as obras e com o mercado editorial. E finalmente o quarto e último ato, assistimos a migração da estratégia de crescimento da empresa que antes focava nas HQs e passa a valorizar seus IPs - que lhe rendeu, inclusive, a venda para a Disney, uma enorme e sustentável receita em licenciamentos e uma nova geração de Filmes com enorme sucesso em Hollywood.

O fato é que o documentário vai interessar mais aqueles curiosos e empreendedores do que o fãs de heróis. Não que seja um produto chato para os fãs, mas o enfoque é no negócio, não nas obras ou nos personagens. Fica claro porém, que essa história merecia um pouco mais de tempo, para que mais curiosidades pudessem ser desenvolvidas. São muitos detalhes interessantes e a presença de personalidades importantes como Avi Arad, Mark Millar, Harvey Miller (entre outros) poderia ter sido melhor aproveitada - certamente uma minissérie como "GDLK" funcionaria melhor, principalmente para quem já leu Marvel Comics - a História Secreta, que, aliás, recomendo para quem gostar do filme.

Vale a pena! 

Assista Agora

Muito na linha de "A História da Pixar" e "A História do Imagineering", chegou na Globoplay (atenção: não no Disney+) um excelente documentário francês de 2016 que conta em quatro atos como a Marvel se reinventou e transformou o mercado depois de quase falir entre os anos 80 e 90, surfando no crescimento da cultura pop e inovando na forma e nas estratégias de contar histórias - porém, o mais interessante do filme é seu enfoque mercadológico e não necessariamente os processos criativos, assunto que encontramos em outros documentários como no ótimo "Marvel 616" (esse sim da Disney+).

"Marvel Stories" é quase um recorte da jornada corporativa da Marvel Comics do caos ao seu processo de ascensão e criação da Marvel Studios. Dividido em quatro temas, os diretores Philippe Guedj e Philippe Roure criam uma dinâmica narrativa bastante competente que expõe muitas das decisões e disputas que fizeram a Marvel renascer das cinzas. Embora seja um documentário de 2016, algumas passagens explicam exatamente o que vemos té hoje dentro do MCU, fazendo um paralelo com a mudança de status das HQs que trouxeram novos leitores, colecionadores e que, de alguma forma, ajudaram a salvar a empresa e a remodelar o negócio.

Uma das lições mais importantes, um pouco batida até, mas muito relevante no contexto, diz respeito a como o roteiro foi capaz de dar uma exata (e clara) noção de como uma empresa tem a necessidade de se reinventar a todo momento, independente do mercado, do tamanho e do passado glorioso!

Veja, se a DC dominava o mercado de HQs nos anos 60 e 70 e pioneira na produção de filmes de heróis, foi Marvel que colocou a importância de propriedade intelectual (IP) em outro patamar, mesmo que meio por acaso. O documentário detalhada muito bem esse processo e as estratégias desesperadas dos executivos para recuperar o controle de seus personagens e histórias. Os depoimentos de artistas e dos executivos que lideraram essas mudanças e bancaram algumas ideias que pareciam malucas na época, ajudam a posicionar cada uma das vitórias da empresa em uma linha do tempo e com pilares muito particulares: no primeiro ato, por exemplo, conhecemos os bastidores das negociações entre banqueiros e executivos de Wall Street pelo controle da empresa. Já no segundo ato o mergulho é no crescimento e nas transformações do mercado de cultura pop e como a Marvel entendeu essa oportunidade. No terceiro, o mais fraco na minha opinião (embora curioso), é discutido a relação histórica que Nova York tem com a Marvel, com as obras e com o mercado editorial. E finalmente o quarto e último ato, assistimos a migração da estratégia de crescimento da empresa que antes focava nas HQs e passa a valorizar seus IPs - que lhe rendeu, inclusive, a venda para a Disney, uma enorme e sustentável receita em licenciamentos e uma nova geração de Filmes com enorme sucesso em Hollywood.

O fato é que o documentário vai interessar mais aqueles curiosos e empreendedores do que o fãs de heróis. Não que seja um produto chato para os fãs, mas o enfoque é no negócio, não nas obras ou nos personagens. Fica claro porém, que essa história merecia um pouco mais de tempo, para que mais curiosidades pudessem ser desenvolvidas. São muitos detalhes interessantes e a presença de personalidades importantes como Avi Arad, Mark Millar, Harvey Miller (entre outros) poderia ter sido melhor aproveitada - certamente uma minissérie como "GDLK" funcionaria melhor, principalmente para quem já leu Marvel Comics - a História Secreta, que, aliás, recomendo para quem gostar do filme.

Vale a pena! 

Assista Agora

O Caso Evandro

"O Caso Evandro" é uma das histórias mais impressionantes que você vai assistir, mesmo sendo (como eu) um devorador de minisséries e filmes de "true crime"! Para quem escutou o famoso podcast "Projetos Humanos" do jornalista Ivan Mizanzuk sobre o caso, certamente sua experiência será ainda mais especial - mas aqui vale a pena um comentário: a minissérie de nove episódios do Globoplay tem uma construção narrativa muito mais direta (até pelo tempo disponível para a produção) que, sozinha, entrega uma experiência das mais avassaladoras.

No dia 06 de Abril de 1992, na cidade de Guaratuba, no litoral do Paraná, Evandro Ramos Caetano, um menino de apenas 6 anos de idade, desapareceu misteriosamente. Poucos dias depois, seu corpo foi encontrado sem as mãos, cabelos e vísceras. A suspeita era de que se tratava de um sacrifício em uma espécie de ritual satânico. Essa morte impactou os pais por todo o estado do Paraná, já que o Estado enfrentava um surto de crianças desaparecidas naquele momento. Com o passar dos dias, sete pessoas foram presas e confessaram que usaram Evandro em um ritual macabro. Mas o caso estava longe de ser encerrado, assim como a culpa daquelas pessoas estava longe de ser devidamente esclarecida em um ambiente que envolveu intolerância religiosa, disputas politicas, rivalidade entre as polícias Civil e Militar, além de um julgamento popular e midiático cruel. Confira o trailer:

Dirigida pelo talentoso Aly Muritiba com o apoio de Michelle Chevrand, a série sobre "O Caso Evandro" é uma montanha russa de emoções. Se no primeiro episódio temos a impressão que o tom narrativo está completamente desconectado do conceito visual imposto pelos diretores, a partir do segundo o que vemos é uma uma aula de storytelling. Com a presença essencial de Ivan Mizanzuk, Muritiba usa sua capacidade como também diretor de ficção para criar encenações (e até reconstituições) que provocam sentimentos e sensações muito particulares para um documentário - a própria maneira ele e Chevrand deixam Mizanzuk conduzir os fatos, ora como narrador, ora como especialista do caso, cria uma relação de proximidade com a história, como se tivesse em uma conversa entre amigos.

O nível da produção é altíssimo, digno das melhores séries de "true crime" da HBO ou da Netflix. Todas as inserções gráficas que servem de apoio à narrativa, facilitam nossa conexão imediata em uma linha do tempo bastante complexa, já que envolve muitos personagens e situações paralelas que tendem a nos tirar o foco do crime em si. Naturalmente, os diretores amarram todas (ou quase todas) as pontas usando diversas técnicas para contar a história - o momento em que eles chamam alguns dos personagens para apresentar uma nova prova sobre o caso tantos anos depois, é um ótimo exemplo desse domínio narrativo, digno de se aplaudir de pé.

O roteiro de Angelo Defanti, Arthur Warren, Ludmila Naves e Tainá Muhringer também merece elogios. Imagine a complexidade de adaptar mais de 40 horas de podcast em pouco menos de 9 horas de minissérie - e te garanto: eles não aliviam, o que transforma a jornada em algo um pouco indigesto. São muitos depoimentos, de vários personagens importantes, imagens de arquivo, áudios perturbadores; enfim, um primor de documentário com reviravoltas impressionantes.

Vale muito a pena!

Assista Agora

"O Caso Evandro" é uma das histórias mais impressionantes que você vai assistir, mesmo sendo (como eu) um devorador de minisséries e filmes de "true crime"! Para quem escutou o famoso podcast "Projetos Humanos" do jornalista Ivan Mizanzuk sobre o caso, certamente sua experiência será ainda mais especial - mas aqui vale a pena um comentário: a minissérie de nove episódios do Globoplay tem uma construção narrativa muito mais direta (até pelo tempo disponível para a produção) que, sozinha, entrega uma experiência das mais avassaladoras.

No dia 06 de Abril de 1992, na cidade de Guaratuba, no litoral do Paraná, Evandro Ramos Caetano, um menino de apenas 6 anos de idade, desapareceu misteriosamente. Poucos dias depois, seu corpo foi encontrado sem as mãos, cabelos e vísceras. A suspeita era de que se tratava de um sacrifício em uma espécie de ritual satânico. Essa morte impactou os pais por todo o estado do Paraná, já que o Estado enfrentava um surto de crianças desaparecidas naquele momento. Com o passar dos dias, sete pessoas foram presas e confessaram que usaram Evandro em um ritual macabro. Mas o caso estava longe de ser encerrado, assim como a culpa daquelas pessoas estava longe de ser devidamente esclarecida em um ambiente que envolveu intolerância religiosa, disputas politicas, rivalidade entre as polícias Civil e Militar, além de um julgamento popular e midiático cruel. Confira o trailer:

Dirigida pelo talentoso Aly Muritiba com o apoio de Michelle Chevrand, a série sobre "O Caso Evandro" é uma montanha russa de emoções. Se no primeiro episódio temos a impressão que o tom narrativo está completamente desconectado do conceito visual imposto pelos diretores, a partir do segundo o que vemos é uma uma aula de storytelling. Com a presença essencial de Ivan Mizanzuk, Muritiba usa sua capacidade como também diretor de ficção para criar encenações (e até reconstituições) que provocam sentimentos e sensações muito particulares para um documentário - a própria maneira ele e Chevrand deixam Mizanzuk conduzir os fatos, ora como narrador, ora como especialista do caso, cria uma relação de proximidade com a história, como se tivesse em uma conversa entre amigos.

O nível da produção é altíssimo, digno das melhores séries de "true crime" da HBO ou da Netflix. Todas as inserções gráficas que servem de apoio à narrativa, facilitam nossa conexão imediata em uma linha do tempo bastante complexa, já que envolve muitos personagens e situações paralelas que tendem a nos tirar o foco do crime em si. Naturalmente, os diretores amarram todas (ou quase todas) as pontas usando diversas técnicas para contar a história - o momento em que eles chamam alguns dos personagens para apresentar uma nova prova sobre o caso tantos anos depois, é um ótimo exemplo desse domínio narrativo, digno de se aplaudir de pé.

O roteiro de Angelo Defanti, Arthur Warren, Ludmila Naves e Tainá Muhringer também merece elogios. Imagine a complexidade de adaptar mais de 40 horas de podcast em pouco menos de 9 horas de minissérie - e te garanto: eles não aliviam, o que transforma a jornada em algo um pouco indigesto. São muitos depoimentos, de vários personagens importantes, imagens de arquivo, áudios perturbadores; enfim, um primor de documentário com reviravoltas impressionantes.

Vale muito a pena!

Assista Agora

Onde nascem os fortes

Seguindo o padrão Globo, "Onde nascem os fortes" pode ser definida como uma história de amores impossíveis, ódio e perdão, que se passa no sertão do Nordeste, um território onde, às vezes, quem vence é o mais forte e não a lei. 

A minissérie da Globo mostra o desespero de uma irmã em busca de respostas - Nonato (Marco Pigossi) desaparece sem deixar rastros após flertar justamente com a amante de Pedro (Alexandre Nero), a sedutora Joana (Maeve Jinkings). O suposto envolvimento de Pedro, o homem mais poderoso da cidade, no sumiço de Nonato é o estopim de uma batalha que interrompe de forma abrupta romances, altera o destino de uns e obriga outros a desenterrarem segredos de família. 

Eu costumo dizer que trabalho de Diretor bom é simples e ao mesmo tempo elegante. Em todos os projetos do José Luiz Villamarim (e sua parceria com o fotógrafo e diretor Walter Carvalho) a câmera está sempre no lugar certo, mesmo que seja no lugar mais inusitado. Dessa vez ele não dirigiu de ponta a ponta como de costume, mas sua condução artística está impressa em cada detalhe: nada de muitos cortes (aquela coisa de plano, contra-plano e geral); "pra que?" se dá pra fazer em um plano único e fica lindo! Mais uma vez vemos uma bela fotografia, como sempre cinematográfica! Alice Wegmann já tinha me chamado muito a atenção em "Ligações Perigosas" e agora, certamente, sobe de patamar. Alexandre Nero e Henrique Dias, impecáveis - mas aí não é novidade!

Já o texto do George Moura, mesmo com a forte personalidade que lhe é característica, não é consistente o bastante para suportar tantos episódios: 53 no total! Se fossem 10, eu diria que a minissérie seria um enorme sucesso pois, de fato, é uma linda produção, com uma premissa muito interessante (mesmo não sendo das mais originais), uma atmosfera criada pelo Villamarim que trouxe a angustia suficiente para nos identificarmos com a protagonista e querer segui-la durante toda essa dolorosa jornada. Pena que o texto foi perdendo força com episódios completamente dispensáveis. Pena mesmo!

Vale o play, claro, mas só se você estiver disposto a assistir uma novela um pouco mais curta!

Assista Agora

Seguindo o padrão Globo, "Onde nascem os fortes" pode ser definida como uma história de amores impossíveis, ódio e perdão, que se passa no sertão do Nordeste, um território onde, às vezes, quem vence é o mais forte e não a lei. 

A minissérie da Globo mostra o desespero de uma irmã em busca de respostas - Nonato (Marco Pigossi) desaparece sem deixar rastros após flertar justamente com a amante de Pedro (Alexandre Nero), a sedutora Joana (Maeve Jinkings). O suposto envolvimento de Pedro, o homem mais poderoso da cidade, no sumiço de Nonato é o estopim de uma batalha que interrompe de forma abrupta romances, altera o destino de uns e obriga outros a desenterrarem segredos de família. 

Eu costumo dizer que trabalho de Diretor bom é simples e ao mesmo tempo elegante. Em todos os projetos do José Luiz Villamarim (e sua parceria com o fotógrafo e diretor Walter Carvalho) a câmera está sempre no lugar certo, mesmo que seja no lugar mais inusitado. Dessa vez ele não dirigiu de ponta a ponta como de costume, mas sua condução artística está impressa em cada detalhe: nada de muitos cortes (aquela coisa de plano, contra-plano e geral); "pra que?" se dá pra fazer em um plano único e fica lindo! Mais uma vez vemos uma bela fotografia, como sempre cinematográfica! Alice Wegmann já tinha me chamado muito a atenção em "Ligações Perigosas" e agora, certamente, sobe de patamar. Alexandre Nero e Henrique Dias, impecáveis - mas aí não é novidade!

Já o texto do George Moura, mesmo com a forte personalidade que lhe é característica, não é consistente o bastante para suportar tantos episódios: 53 no total! Se fossem 10, eu diria que a minissérie seria um enorme sucesso pois, de fato, é uma linda produção, com uma premissa muito interessante (mesmo não sendo das mais originais), uma atmosfera criada pelo Villamarim que trouxe a angustia suficiente para nos identificarmos com a protagonista e querer segui-la durante toda essa dolorosa jornada. Pena que o texto foi perdendo força com episódios completamente dispensáveis. Pena mesmo!

Vale o play, claro, mas só se você estiver disposto a assistir uma novela um pouco mais curta!

Assista Agora

Sandy & Junior: A História

"Sandy & Junior: A História" é uma das coisas mais sensacionais que assisti recentemente ! A minissérie documental da Globoplay é de um primor técnico e artístico muito (mas muito) acima da média. Em pouco mais de sete horas, somos transportados para uma jornada de 30 anos de história através de uma dinâmica narrativa que é uma aula de roteiro, montagem, direção e, claro, de entretenimento, daqueles onde sentimos na alma a capacidade e a sensibilidade do diretor em nos colocar muito próximos do processo de construção de um projeto de sucesso de uma dupla que, para muitos, é a maior referência da música jovem que o Brasil já teve - e com muito merecimento! Sinceramente não me lembro de um documentário sobre a carreira de algum artista, seja ele de qualquer segmento, que tenha conseguido amarrar tantas passagens, épocas e histórias com tamanha competência! É de se emocionar, até para quem não é um grande fã da dupla, pelo simples fato que a história que vemos na tela tem muita verdade, coração! Confira o trailer:

Produzido pela Goga Cine e baseado em um vasto arquivo musical e pessoal, "Sandy & Junior: A História" acompanha diversos momentos da trajetória da dupla, com inúmeras cenas inéditas: desde a saída emocionados do palco em seu último show em 2007 até imagens caseiras de toda a infância cantando e dançando, em casa, ao lado dos pais. Entre tantas preciosidades, vemos depoimentos de artistas como Roberto Carlos, Ivete Sangalo, Laura Pausini, além de todos os bastidores, da concepção aos shows, da mega turnê "Nossa História" que aconteceu em 2019.

Olha, esse documentário é cheio de camadas, capaz de desmistificar alguns detalhes da vida pessoal da dupla, como reforçar que, além de muito talento, é preciso muito trabalho, dedicação e renúncia para alcançar objetivos profissionais com tanta excelência! Vale muito a pena, para todos!

Assista Agora ou

"Sandy & Junior: A História" é uma das coisas mais sensacionais que assisti recentemente ! A minissérie documental da Globoplay é de um primor técnico e artístico muito (mas muito) acima da média. Em pouco mais de sete horas, somos transportados para uma jornada de 30 anos de história através de uma dinâmica narrativa que é uma aula de roteiro, montagem, direção e, claro, de entretenimento, daqueles onde sentimos na alma a capacidade e a sensibilidade do diretor em nos colocar muito próximos do processo de construção de um projeto de sucesso de uma dupla que, para muitos, é a maior referência da música jovem que o Brasil já teve - e com muito merecimento! Sinceramente não me lembro de um documentário sobre a carreira de algum artista, seja ele de qualquer segmento, que tenha conseguido amarrar tantas passagens, épocas e histórias com tamanha competência! É de se emocionar, até para quem não é um grande fã da dupla, pelo simples fato que a história que vemos na tela tem muita verdade, coração! Confira o trailer:

Produzido pela Goga Cine e baseado em um vasto arquivo musical e pessoal, "Sandy & Junior: A História" acompanha diversos momentos da trajetória da dupla, com inúmeras cenas inéditas: desde a saída emocionados do palco em seu último show em 2007 até imagens caseiras de toda a infância cantando e dançando, em casa, ao lado dos pais. Entre tantas preciosidades, vemos depoimentos de artistas como Roberto Carlos, Ivete Sangalo, Laura Pausini, além de todos os bastidores, da concepção aos shows, da mega turnê "Nossa História" que aconteceu em 2019.

Olha, esse documentário é cheio de camadas, capaz de desmistificar alguns detalhes da vida pessoal da dupla, como reforçar que, além de muito talento, é preciso muito trabalho, dedicação e renúncia para alcançar objetivos profissionais com tanta excelência! Vale muito a pena, para todos!

Assista Agora ou

Small Axe

"Small Axe" é uma série antológica co-produzida pela BBC e pela Amazon Studios que tem na direção o excelente Steve McQueen - vencedor do Oscar com "12 Anos de Escravidão". Embora completamente independentes, o que une os episódios são as experiências reais de alguns personagens negros, membros da comunidade das Índias Ocidentais, em uma Londres extremamente racista e segregadora, durante os anos de 1969 e 1982. 

Embora difíceis, apoiados em situações extremas de intolerância, os roteiros do próprio McQueen ao lado da Rebecca Lenkiewicz ("Ida") constroem narrativas muito realistas, se apoiando em elementos, lugares e personagens que contribuíram, de alguma forma, para que a comunidade negra imigrante se sentisse mais próxima de casa, se reconectasse com sua cultura e origem, e ainda conquistasse mais espaço e direitos em território londrino. Confira o trailer (em inglês):

O primeiro filme é, sem dúvida, o melhor e mais impactante de todos - para mim, inclusive, o melhor filme de 2020 e que não pode disputar o Oscar por fazer parte de um seriado. Não por acaso, Mangrove’ tem duração maior que os demais: duas horas - ele é uma espécie de "versão inglesa" de "Os 7 de Chicago". Nele conhecemos um restaurante no coração de Notting Hill, cujo dono, Anthony (Darren Braithwaite) é um homem, negro, batalhador e bastante envolvido com a comunidade local. Todos  os frequentadores do restaurante são negros e isso é o suficiente para que policiais racistas como Pulley (Sam Spruell), criassem as mais diferentes desculpas para invadir o lugar e causar todo tipo de transtorno para seu proprietário. Até que um dia, Darcus (Malachi Kirby) e Altheia (Letitia Wright), membros do grupo revolucionário "Pantera Negra", decidem organizar um protesto pelos direitos dos frequentadores do Mangrove’, que acaba desencadeando um enfrentamento com a polícia e a prisão de nove pessoas que são levados para um julgamento cheio de hipocrisia e concessões.

Outro episódio que merece ser destacado é o terceiro. Nele acompanhamos Leroy (John Boyega) um jovem e inteligente rapaz negro que, contrariando sua família e cansado de ver a violência causada por policiais racistas, decide entrar para a instituição acreditando que assim, poderá mudar o sistema e proteger sua comunidade. Aliás foi por esse personagem que Boyega conquistou o Globo de Ouro 2021. Já os outros três episódios não são ruins, longe disso, mas também não serão unanimidade - o segundo é um ótimo exemplo da necessidade de uma identificação muito particular com a narrativa: centrado em uma festa da comunidade, em uma casa no subúrbio inglês, onde a música e a relação com ela conduzem a história, transitamos entre a leveza de uma homenagem cultural com a tensão por comportamentos extremamente conflituosos perante o semelhante.

O fato é que todos os episódios de "Small Axe" vão provocar inúmeras sensações e sentimentos - na sua maioria, não tão simples de lidar, mas importantíssimos e que nos provocam muitas reflexões - entender o retrato de uma dura realidade onde ser um cidadão negro e imigrante em um país que, naquele momento, enfrentava lutas pela independência das colônias africanas, definitivamente não parecia ser uma jornada segura. A série é inteligente ao mostrar esse drama e mesclar as tensões político-raciais com personagens carismáticos e complexos, cheio de camadas e extremamente introspectivos que, muitas vezes, usam do silêncio e do olhar para contar muito mais do que os ótimos diálogos que foram escritos. Reparem!

Olha, vale muito a pena! Muito mesmo!

Assista Agora

"Small Axe" é uma série antológica co-produzida pela BBC e pela Amazon Studios que tem na direção o excelente Steve McQueen - vencedor do Oscar com "12 Anos de Escravidão". Embora completamente independentes, o que une os episódios são as experiências reais de alguns personagens negros, membros da comunidade das Índias Ocidentais, em uma Londres extremamente racista e segregadora, durante os anos de 1969 e 1982. 

Embora difíceis, apoiados em situações extremas de intolerância, os roteiros do próprio McQueen ao lado da Rebecca Lenkiewicz ("Ida") constroem narrativas muito realistas, se apoiando em elementos, lugares e personagens que contribuíram, de alguma forma, para que a comunidade negra imigrante se sentisse mais próxima de casa, se reconectasse com sua cultura e origem, e ainda conquistasse mais espaço e direitos em território londrino. Confira o trailer (em inglês):

O primeiro filme é, sem dúvida, o melhor e mais impactante de todos - para mim, inclusive, o melhor filme de 2020 e que não pode disputar o Oscar por fazer parte de um seriado. Não por acaso, Mangrove’ tem duração maior que os demais: duas horas - ele é uma espécie de "versão inglesa" de "Os 7 de Chicago". Nele conhecemos um restaurante no coração de Notting Hill, cujo dono, Anthony (Darren Braithwaite) é um homem, negro, batalhador e bastante envolvido com a comunidade local. Todos  os frequentadores do restaurante são negros e isso é o suficiente para que policiais racistas como Pulley (Sam Spruell), criassem as mais diferentes desculpas para invadir o lugar e causar todo tipo de transtorno para seu proprietário. Até que um dia, Darcus (Malachi Kirby) e Altheia (Letitia Wright), membros do grupo revolucionário "Pantera Negra", decidem organizar um protesto pelos direitos dos frequentadores do Mangrove’, que acaba desencadeando um enfrentamento com a polícia e a prisão de nove pessoas que são levados para um julgamento cheio de hipocrisia e concessões.

Outro episódio que merece ser destacado é o terceiro. Nele acompanhamos Leroy (John Boyega) um jovem e inteligente rapaz negro que, contrariando sua família e cansado de ver a violência causada por policiais racistas, decide entrar para a instituição acreditando que assim, poderá mudar o sistema e proteger sua comunidade. Aliás foi por esse personagem que Boyega conquistou o Globo de Ouro 2021. Já os outros três episódios não são ruins, longe disso, mas também não serão unanimidade - o segundo é um ótimo exemplo da necessidade de uma identificação muito particular com a narrativa: centrado em uma festa da comunidade, em uma casa no subúrbio inglês, onde a música e a relação com ela conduzem a história, transitamos entre a leveza de uma homenagem cultural com a tensão por comportamentos extremamente conflituosos perante o semelhante.

O fato é que todos os episódios de "Small Axe" vão provocar inúmeras sensações e sentimentos - na sua maioria, não tão simples de lidar, mas importantíssimos e que nos provocam muitas reflexões - entender o retrato de uma dura realidade onde ser um cidadão negro e imigrante em um país que, naquele momento, enfrentava lutas pela independência das colônias africanas, definitivamente não parecia ser uma jornada segura. A série é inteligente ao mostrar esse drama e mesclar as tensões político-raciais com personagens carismáticos e complexos, cheio de camadas e extremamente introspectivos que, muitas vezes, usam do silêncio e do olhar para contar muito mais do que os ótimos diálogos que foram escritos. Reparem!

Olha, vale muito a pena! Muito mesmo!

Assista Agora