Viu Review - A Garota da Foto
A-garota-da-foto.jpg

A Garota da Foto

Diretor
Skye Borgman
Ano
2022
País
EUA

netflix Documentário ml-real ml-investigação ml-serial-killer ml-crime ml-mm ml-pedofilia

A Garota da Foto

Na linha "True Crime", "A Garota da Foto" é um documentário que não se preocupa em se aprofundar em cada detalhe da investigação - o que muitas vezes deixam as séries do gênero cansativas demais. Em pouco mais de 90 minutos, o filme vai direto ao ponto, sem enrolação, e apresenta uma história completamente surreal, onde, pouco a pouco, a diretora Skye Borgman (do premiado "Sequestrada à Luz do Dia") vai apresentando as peças desse misterioso quebra-cabeça para que a audiência tenha a sensação de construir, junto com a narrativa, uma linha temporal coerente com os fatos que vários personagens-chaves vão descobrindo - e é muito importante que você se atente a esse detalhe para que não se tenha a impressão de que o roteiro está roubando no jogo só para te surpreender.

A morte misteriosa de uma jovem mulher depois um suposto atropelamento e o subsequente sequestro de seu filho de dois anos abrem alguns mistérios que perdurariam por quase 30 anos. Qual a verdadeira identidade da mulher? Quem é, de fato, o homem que sequestrou seu filho? E o que aconteceu com o garoto após o sequestro? Confira o trailer (em inglês):

Talvez o que chame mais a atenção nessa produção original da Netflix, e que foi brilhantemente retratado por Borgman, seja a capacidade que um ser humano tem de se tornar maligno de acordo com suas experiências de vida. Embora possa parecer injustificável, e de fato os fatos que você vai ter que lidar durante o filme nos levam a pensar que existe uma complexidade que vai além do nosso julgamento, a história de Franklin Delano Floyd e suas atitudes durante tantos anos parecem se conectar e fazer sentido quando entendemos o todo. São movimentos tão cruéis (e por isso defini a história como "surreal"), que o personagem soa ficcional.

Seguindo aquela fórmula "dramatização + imagens de arquivo + entrevista com os envolvidos", "A Garota da Foto" consegue entregar uma narrativa dinâmica em seu "conteúdo", mas que para alguns pode parecer levemente monótona em sua "forma". Sim, o roteiro é redondinho ao expor as entranhas do caso e a montagem consegue deixar esse contexto bem fácil de entender, mesmo com a quebra da linearidade temporal bem marcante; mas não espere nada de novo no que diz respeito ao tom ou ao conceito visual - eu diria que o filme é uma mistura de "Lost Girls" com "O Caso Evandro", onde o resultado caminha para um desfecho cada vez mais doloroso e trágico. 

Para os fãs do gênero, "A Garota da Foto" certamente vai valer muito a pena. É inegável como a cada descoberta, nossa curiosidade só vai aumentando. Embora a história seja um enorme emaranhado de informações, conforme desvendamos alguns mistérios, outros vão se formando e é assim que trama caminha até o fim - em apenas um momento, no inicio do terceiro ato, tive a impressão que a diretora cedeu à tentação do "plot twist matador" e roubou no jogo inserindo uma personagem importante que nem ao menos havia sido citada durante toda a jornada de investigação. Mas ok, isso não vai prejudicar sua experiência até porquê entendemos rapidamente a estrutura de que quando tudo parece que está resolvido, sempre uma nova informação surge e muda os rumos da investigação.

Dito isso, "A Garota da Foto" acerta ao tratar o tema com respeito (e não é fácil), sem qualquer exploração sensacionalista (o que é tentador), e até quando dá voz ao Floyd não mitifica o criminoso como já vimos em outras produções.

Pode dar o play que vale muito a pena!

Assista Agora

Na linha "True Crime", "A Garota da Foto" é um documentário que não se preocupa em se aprofundar em cada detalhe da investigação - o que muitas vezes deixam as séries do gênero cansativas demais. Em pouco mais de 90 minutos, o filme vai direto ao ponto, sem enrolação, e apresenta uma história completamente surreal, onde, pouco a pouco, a diretora Skye Borgman (do premiado "Sequestrada à Luz do Dia") vai apresentando as peças desse misterioso quebra-cabeça para que a audiência tenha a sensação de construir, junto com a narrativa, uma linha temporal coerente com os fatos que vários personagens-chaves vão descobrindo - e é muito importante que você se atente a esse detalhe para que não se tenha a impressão de que o roteiro está roubando no jogo só para te surpreender.

A morte misteriosa de uma jovem mulher depois um suposto atropelamento e o subsequente sequestro de seu filho de dois anos abrem alguns mistérios que perdurariam por quase 30 anos. Qual a verdadeira identidade da mulher? Quem é, de fato, o homem que sequestrou seu filho? E o que aconteceu com o garoto após o sequestro? Confira o trailer (em inglês):

Talvez o que chame mais a atenção nessa produção original da Netflix, e que foi brilhantemente retratado por Borgman, seja a capacidade que um ser humano tem de se tornar maligno de acordo com suas experiências de vida. Embora possa parecer injustificável, e de fato os fatos que você vai ter que lidar durante o filme nos levam a pensar que existe uma complexidade que vai além do nosso julgamento, a história de Franklin Delano Floyd e suas atitudes durante tantos anos parecem se conectar e fazer sentido quando entendemos o todo. São movimentos tão cruéis (e por isso defini a história como "surreal"), que o personagem soa ficcional.

Seguindo aquela fórmula "dramatização + imagens de arquivo + entrevista com os envolvidos", "A Garota da Foto" consegue entregar uma narrativa dinâmica em seu "conteúdo", mas que para alguns pode parecer levemente monótona em sua "forma". Sim, o roteiro é redondinho ao expor as entranhas do caso e a montagem consegue deixar esse contexto bem fácil de entender, mesmo com a quebra da linearidade temporal bem marcante; mas não espere nada de novo no que diz respeito ao tom ou ao conceito visual - eu diria que o filme é uma mistura de "Lost Girls" com "O Caso Evandro", onde o resultado caminha para um desfecho cada vez mais doloroso e trágico. 

Para os fãs do gênero, "A Garota da Foto" certamente vai valer muito a pena. É inegável como a cada descoberta, nossa curiosidade só vai aumentando. Embora a história seja um enorme emaranhado de informações, conforme desvendamos alguns mistérios, outros vão se formando e é assim que trama caminha até o fim - em apenas um momento, no inicio do terceiro ato, tive a impressão que a diretora cedeu à tentação do "plot twist matador" e roubou no jogo inserindo uma personagem importante que nem ao menos havia sido citada durante toda a jornada de investigação. Mas ok, isso não vai prejudicar sua experiência até porquê entendemos rapidamente a estrutura de que quando tudo parece que está resolvido, sempre uma nova informação surge e muda os rumos da investigação.

Dito isso, "A Garota da Foto" acerta ao tratar o tema com respeito (e não é fácil), sem qualquer exploração sensacionalista (o que é tentador), e até quando dá voz ao Floyd não mitifica o criminoso como já vimos em outras produções.

Pode dar o play que vale muito a pena!

Assista Agora

Você também demora para encontrar o que quer assistir?

Cadastre-se na Viu Review e tenha sempre a sugestão ideal para o seu gosto!

Cookies: a gente guarda estatísticas de visitas para melhorar sua experiência de navegação, ao continuar navegando você concorda com a nossa Política de Privacidade.